JESUS CRISTO, O FILHO DE DEUS

Em toda nossa caminhada devemos ter sempre Cristo como nosso guia. Ele nos guarda a cada dia. "Porque dele, e por ele, e para ele são todas as coisas; glória, pois a ele eternamente. Amém." Sejam bem vindos ao nosso blog em o nome do Senhor Jesus !!! Disse Jesus: Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve. Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa. Amo ao Senhor Jesus Cristo, porque Ele me amou primeiro e trouxe-me para a sua maravilhosa presença. Deus é tremendo !!!

sexta-feira, 5 de junho de 2015

JESUS CRISTO - O FILHO DE DEUS E O FILHO DO HOMEM

O Filho de Deus e o Filho do Homem. 

""É tão sublime – unanimemente O proclamamos – o Mistério da bondade divina manifestado na carne" (1 Tim. 3:16). "Estas palavras do Apóstolo atestam de que o milagre da encarnação do Filho de Deus excede a compreensão de nossa mente limitada". "Realmente nós podemos acreditar, mas não podemos explicar os acontecimentos que sucederam há dois mil anos atrás em Belém, quando na Pessoa de Jesus Cristo onde duas naturezas diferentes e opostas na essência foram unidas: a sobrenatural, eterna e infinita – Divina, e ao mesmo tempo a material, limitada e frágil – a natureza humana". "Não obstante, os Evangelhos e as epístolas Apostólicas, na extensão das nossas forças, nos revelam certos aspectos do milagre da encarnação do Filho de Deus. São João o Teólogo, no começo do seu Evangelho eleva nosso pensamento à pré-eterna existência da Segunda Pessoa da Santíssima Trindade, a Quem ele denomina de verbo dizendo: "No princípio era o Verbo, e o Verbo estava junto de Deus e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio junto de Deus". "Tudo foi feito por Ele e sem Ele nada foi feito"... "E o Verbo se fez carne e habitou entre nós" (João. 1:1-3,14)".  "A denominação de Verbo do Filho de Deus indica que o nascimento Dele do Pai não deve ser entendido no sentido de um nascimento comum: ele ocorreu impassível e sem desagregação". "O Filho de Deus nasceu do Pai assim como a palavra nasce do pensamento". "O pensamento e a palavra são diferentes um do outro e ao mesmo tempo são inseparáveis". "Não existe palavra sem o pensamento, e o pensamento infalivelmente é expresso na palavra". "A prédica Apostólica subsequente é mais completa ao revelar a verdade da Natureza Divina de Cristo, ou seja, que Ele é verdadeiramente o Unigênito (o único) Filho de Deus, o qual nasceu do Pai antes de todos os séculos, isto é, Ele é eterno, assim como Deus Pai é eterno". "O Filho de Deus tem a mesma natureza Divina que Deus Pai, e por esta razão – Ele é o Criador do mundo visível e invisível, e de nós homens". "Resumindo, Ele, sendo a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade, é o verdadeiro e absoluto Deus". "A fé em Jesus Cristo como o Filho encarnado de Deus representa a fortaleza ou a pedra na qual a Igreja está estabelecida, de acordo com a palavra do Senhor: "Sobre esta pedra edificarei a Minha Igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela" (Mat. 16:18). Sendo Deus perfeito, Cristo-Salvador é ao mesmo tempo um Homem perfeito". "Tendo corpo humano e alma com todas suas particularidades – razão, vontade e sentimentos, como homem, Ele nasceu da Virgem Maria". "Como Filho de Maria, Ele obedecia a Ela e a José. Como homem, Ele foi batizado no Jordão, visitou cidades e vilarejos com Seu sermão de salvação". "Como homem, Ele sentiu fome, sede, cansaço, necessitava dormir e repousar; suportou sensação de enfermidades e sofrimentos físicos". "Vivendo uma vida física inerente ao homem, o Senhor também viveu uma vida espiritual". "Ele fortalecia Suas forças espirituais com jejum e orações". "Ele experimentou sentimentos humanos – alegria, cólera, tristeza; derramou lágrimas". "Deste modo o Senhor Jesus Cristo, tendo tomado nossa natureza humana, era igual a nós em tudo, EXCETO NO PECADO". "Possuindo duas naturezas, Jesus Cristo tinha também duas vontades livres". "A vontade humana racional consciente de Jesus Cristo invariavelmente subordinava suas aspirações humanas e o desejo da vontade Divina dentro Dele". "A vontade humana em Cristo está claramente visível durante Seus profundos sofrimentos no jardim de Gethsemani: "Meu Pai, se é possível, afasta de mim este cálice! Todavia não se faça o que Eu quero, mas, sim, o que Tu queres" (Mat. 26:39)". "Assim, pela Sua obediência a Deus Pai, o Senhor Jesus Cristo corrigiu nossa desobediência e nos ensinou a colocar a vontade de Deus acima dos nossos desejos". 

Fonte : Igreja Ortodoxa Antioquina.

Nenhum comentário:

Postar um comentário