JESUS CRISTO, O FILHO DE DEUS

Em toda nossa caminhada devemos ter sempre Cristo como nosso guia. Ele nos guarda a cada dia. "Porque dele, e por ele, e para ele são todas as coisas; glória, pois a ele eternamente. Amém." Sejam bem vindos ao nosso blog em o nome do Senhor Jesus !!! Disse Jesus: Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve. Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa. Amo ao Senhor Jesus Cristo, porque Ele me amou primeiro e trouxe-me para a sua maravilhosa presença. Deus é tremendo !!!

sábado, 8 de agosto de 2015

AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL


SUMÁRIO




1 - INTRODUÇÃO ...............................................................................................  4

2 – Cenário Histórico das Setenta Semanas – Dn 9.1-2 ...................................... 5

3 – Porque Setenta Anos de Cativeiro ................................................................. 6

4 – Propósito das Setenta Semanas – Dn 9.23-24 .............................................. 7

5 –  A Divisão das Setenta Semanas – Dn 9.25-27 ............................................. 8

6 - CONCLUSÃO ................................................................................................ 11

7 - BIBLIOGRAFIA ............................................................................................  12




1. INTRODUÇÃO

Este trabalho diz respeito a um assunto complexo e de suma importância, descrito no Livro de Daniel no capítulo 9. 20-27: a profecia das “Setenta Semanas de Daniel”.

Nessa profecia Deus mostra a Daniel um quadro geral dos eventos futuros relacionados com Israel, com as nações em geral e com a Igreja.

Precisamos entender bem esse assunto, para não termos dificuldades em entender o Sermão profético: O Princípio das Dores (Mateus 24), e nem o livro de Apocalipse capítulos 6 ao 19, uma vez que essa profecia abrange esses dois livros.

O estudo desta profecia torna-se mais edificante e empolgante quando consideramos que já se cumpriram 69 semanas das Setenta Semanas. Com a morte de Jesus o relógio parou sua marcação e deu início a “era da igreja”, ou seja, vivemos hoje o período de pausa dessa contagem.

Quando a igreja for arrebatada começa a contagem da última semana das 70 semanas, dando inicio a “era de Israel” (Ap 6 a 19), também conhecida como Grande Tribulação .Será uma semana de sete anos divididos em dois períodos de: 3 ½ Três anos e meio de paz e 31/2 Três anos e meio de aflição.

Na Bíblia encontramos os seguintes termos: Anos – Meses – Dias.

Anos – Um tempo, tempos e metade de um tempo. Dn. 7.25; Ap. 12.14.

Meses – 3 ½ Três anos e meio eqüivale a 42 meses Ap. 11.2; 13.5.

Dias – 3 ½ Três anos e meio = a 42 meses = a 1260 dias. Ap. 11.3; 12.6; Dn. 12.11; 9.27

Durante essa semana de 07 anos o Anticristo fará uma aliança com Israel, porém, na metade dessa semana essa aliança será quebrada por ele, dando início a “Grande Tribulação”.

Vale a pena lembrar que:

- As 69 semanas são históricas e somente a última é profética e

- As Setenta semanas estão sobre Israel e não tem relação nenhuma com a igreja.



2. CENÁRIO HISTÓRICO DAS SETENTA SEMANAS – Dn 9. 1-2

(Dn.9:1-2).." No ano primeiro de Dario, filho de Assuero, da nação dos medos, o qual foi constituído rei sobre o reino dos caldeus,

(V.2).." no ano primeiro do seu reinado, eu, Daniel, entendi pelos livros que o número de anos, de que falou o SENHOR ao profeta Jeremias, em que haviam de acabar as assolações de Jerusalém, era de setenta anos.

Explicando.

(V.1).." No ano primeiro de Dario........Isso teve então lugar após (Dn.5:31).

Estava chegando o final dos Setenta anos de Cativeiro do povo judeu.

(V.2).." eu, Daniel, entendi pelos livros......Daniel possuía uma biblioteca, cujos livros ele estudava, e entre esses estavam os da Bíblia de então.

Daniel menciona aqui, no (V.2), as profecias de Jeremias.

Hoje podemos Ter mais conhecimentos ainda, porque dispomos de livros das Escrituras como o Apocalipse, que ele não tinha.

A profecia de Jeremias, mencionada diz:

(Jr.25:11-12).." E toda esta terra virá a ser um deserto e um espanto, e estas nações servirão ao rei da Babilônia setenta anos".

(V.12).." Acontecerá, porém, que, quando se cumprirem os setenta anos, visitarei o rei da Babilônia, e esta nação, diz o SENHOR, castigando a sua iniqüidade, e a da terra dos caldeus; farei deles um deserto perpétuo.

(Jr.29:10).." Porque assim diz o SENHOR: Certamente que, passados setenta anos na Babilônia, vos visitarei e cumprirei sobre vós a minha boa palavra, tornando-vos a trazer a este lugar.

Esse rei de que fala a profecia já fora castigado. Então Daniel chegou a conclusão que já estava no tempo para terminarem as "Assolações de Jerusalém", a qual continuava destruída.



3. PORQUE SETENTA ANOS DE CATIVEIRO?

Tratava-se de disciplina da parte de Deus para com Israel por quebra deliberada dos preceitos divinos exarados em Lv 25.3-5; 26.14,33-35; 2 Cr 36.21.

O cativeiro de Judá foi, em grande parte, fruto da desobediência dos judeus quanto às palavras do Senhor, nos textos acima mencionados. Vemos nas passagens de Levítico, acima, que Deus determinou a observância de um ano sabático, ou ano de descanso, quando a terra descansava um ano. Isso devia ser observado a cada 7 anos. Ora, durante os quase 500 anos que vão do inicio da monarquia de Israel ao seu cativeiro eles não cumpriram este preceito do Senhor. Resultado: Deus mesmo fez a terra repousar, mantendo seus maus “inquilinos” fora, por 70 anos. Portanto, 70 anos é o total de anos sabáticos ocorridos no espaço de 490 anos.

Partindo do inicio do reinado de Saul, 1050 a.C. até o inicio do cativeiro, 606 a.C. dá em de 490 anos. Todo sétimo ano a terra não deveria ser cultivada, e se produzisse alguma coisa, era dado aos pobres e estrangeiros. Depois de 7X7 anos sabáticos vinha o ano de jubileu, quando toda a terra vendida ou confiscada seria devolvida aos seus donos originais, e os escravos seriam postos em liberdade.

Os 70 anos de cativeiro na Babilônia foram tão cruéis e marcantes na história de Israel, pois se tornou o principal motivo que levou os israelitas a perderem a nacionalidade e a religiosidade.

A proibição de viverem a própria cultura e a "necessidade e obrigatoriedade" de utilizarem um outro idioma, deixando o hebraico para segundo plano, foi também uma das piores de todas as consequências possíveis e imagináveis de toda este episódio histórico.

Este cativeiro não foi tão doloroso quanto ao período no Egito, pois não ficou tão explicito o sofrimento físico, o que ficou bem evidente foram ás regalias que tiveram em terras babilônicas (comércio, propriedades, posses), mas para usufruirem destas regalias tiveram que se adaptarem as condições daquelas terras e pior, tiveram que se curvar as suas culturas, línguas e costumes.
Isto é facilmente aceitável, uma vez que foram deportados para Babilônia os inteligentes, ricos e os que tinham condições de, no mínimo, produzirem algo para o sucesso dos babilônicos. Os pobres, doentes e os que apresentavam qualquer tipo de dificuldades ficaram em Jerusalém, na "miséria".
Em outras palavras, os cativos judeus, se tornaram a mola propulsora da economia da Babilônia, mas por outro lado, este status doeu, lá no fundo da alma de todos os filhos de Abraão. Era Deus trabalhando na vida e na história do seu povo.



4. PROPÓSITO DAS SETENTA SEMANAS – Dn 9.23-24
As 70 semanas que estão determinadas sobre o teu povo e sobre a tua santa cidade (Dn 9.24), tem como propósito:

1) "Fazer cessar a transgressão" . O tipo de transgressão do seu povo, que Daniel acabava de confessar em Oração.

2) "Dar fim aos pecados". O sentido original é de deter, restringir. O mesmo vocábulo original é traduzido " Tornar inativo" .

3) "Expiar a iniquidade". A obra realizada por Cristo no Calvário operará então em favor de Israel.

4) "Trazer a justiça eterna". Isto terá lugar em Israel pela transformação interior, conforme o que está escrito em...(Jr.31:33-34)

5) "Selar a visão e a profecia". Quando o povo andar em retidão, abandonando as suas transgressões, a visão e a profecia podem ser seladas..(Jr.31:34).

6) "Ungir o Santo dos santos". Certamente isto tem a ver com a purificação do templo de Jerusalém que foi profanado pela "Abominação desoladora" mencionada em Dn.11:31 e Mt 24.15.



5. A DIVISÃO DAS SETENTA SEMANAS – Dn 9. 25 – 27

As 70 Semanas estão divididas em três grupos. Sendo Semanas de anos e totalizam 490 anos.


Os três grupos são:


1º Grupo - 07 Semanas = 49 anos

2º Grupo - 62 Semanas = 434 anos 70 Semanas = 490 anos.

3º Grupo - 01 Semana = 7 ano


Comparando-se (Ap.12:6 com 13:5) vê-se que o ano Bíblico ou profético é de 360 dias, pois 1.260 dias dá 42 meses de 30 dias.

Também em (Gn. 7:11 e 8:4) temos a expressão "Cinco Meses", e em (Gn.7:24 e 8:3, vemos que esses cinco meses equivalem a 150 dias, ou seja, 5 meses de 30 dias, o que significa anos de 360 dias na Bíblia.

O calendário religioso de Israel era lunar.

A lua nova marcava o início dos meses, sendo essa uma ocasião festiva.

Esse ano era de 354 dias, mas nos fatos gerais e nas profecias era arredondado para 360 dias.

O calendário solar é posterior, e é relacionado comas estações do ano.

a) O Primeiro Grupo de Semanas - 7 semanas ou 49 anos (Dn. 9:25).

Esse período começaria com a expedição do decreto de reconstrução de Jerusalém, o qual foi baixado em 45 a.C por Artaxerxes Longímano, de acordo com as maiores autoridades no assunto. Esse decreto foi descrito em Neemias

2. Neemias foi comissionado pelo rei para dar cumprimento a esse ato.

De acordo com a profecia em estudo, no fim dos 49 anos a cidade de Jerusalém estaria reconstruída (ano 397 a.C).



Houve dois decretos ligados à reconstrução de Jerusalém, que muitos estudiosos da Bíblia confundem. Um em 457 a.C, de embelezamento do templo e restauração do culto, a cargo de Esdras (Ed.7) e o outro foi o da reconstrução dos muros e, portanto, da cidade, a cargo de Neemias.

É deste que estamos tratando, foi baixado o ato em 445 a.C. A partir daí, começaria a contagem das (70) Setenta Semanas Proféticas.

b) O Segundo Grupo de Semanas - 62 Semanas ou 434 anos (Dn.9:25-26).

As (62) sessenta e duas semanas seguintes (434 anos) estendem-se desde o término da reconstrução de Jerusalém, 396 a.C até a vinda do Messias que aconteceu no ano 33 d.C com a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, completando assim as 69 semanas.

Segundo período da profecia. “Então, 434 anos após o cumprimento das primeiras sete semanas, nosso Senhor Jesus Cristo entrou montado sobre um jumentinho (Mt 21.4), em Jerusalém e foi aclamado pelas multidões como rei, o filho de David, mas alguns poucos dias mais tarde, exatamente uma semana Ele foi rejeitado e crucificado, assim o Messias foi morto.

Logo depois ocorreu a destruição de Jerusalém pelos Romanos, em 70 d.C. e houve muitas guerras.

(V.26).." E, depois das sessenta e duas semanas, será tirado o Messias e não será mais; e o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até ao fim haverá guerra; estão determinadas assolações.

Conforme o versículo acima, após a morte de Jesus seguiu-se a destruição de Jerusalém. Assim, de acordo com a profecia lida (V.26), o Messias morreria antes da destruição da cidade, o que de fato ocorreu.

d) Intervalo entre a 69 semana e a 70 semana – Era da Igreja

Antes que se cumpra a 70ª semana haverá um intervalo. Indicado em Dn 9. 26 – “Até o Fim”. Este intervalo encerra com o arrebatamento da igreja. Somente Deus sabe o tempo do seu cumprimento (Rm 11.11 - 25).

O relógio que registra as Semanas proféticas para Israel, para. E começa então a era da Igreja.

Note-se que a morte do Messias, a destruição de Jerusalém e o tempo da Igreja estão incluídos neste período entre o fim da 69 semana e o começo da última semana, ou seja a septuagésima semana.



Este tempo é também chamado de intervalo profético, mas conhecido como a “era da igreja”, período exclusivamente reservado para a Igreja, pelo fato de Israel haver rejeitado o messias, pois veio para o que era seu e os seus não o receberam, Jo 1.12.

d) O Terceiro Grupo de Semanas - o de uma semana, isto é 7 anos. (Dn.9:27).

(V.27).."E ele firmará um concerto com muitos por uma semana; e, na metade da semana, fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares; e sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador.

A última das 70 Semanas de Daniel ocupam os capítulos de 6 à 19 de Apocalipse. Será uma semana de sete anos e ainda não se cumpriu, pois, terá o seu início com o arrebatamento da igreja.

Esta semana de sete anos está dividida em duas partes, ou dois períodos (Dan 9.27). O primeiro período se chama “O Tempo da Falsa Paz”, que durará acerca de três anos e meio (42 meses = a 1260 dias. Ap. 11.3; 12.6; Dn. 12.11). E o segundo período é denominado: “O Tempo da Grande Tribulação, ou Aflição”, que também durará três anos e meio.

No versículo 27 de Daniel, notamos cinco coisas que acontecerão na última semana , ou seja, os sete anos de reinado do anticristo, no tempo do fim:

1) Fará uma aliança com os judeus por sete anos;

2) A aliança será quebrada na metade da semana, isto após três anos e meio;

3) A grande tribulação será terrível, principalmente para o povo judeu. Sobre as asas da abominação virá o assolador (Mt 24.15.22);

4) O anticristo dominará, até a consumação (Ap 2.16,17);

5) Cristo aparecerá para destruir o Anticristo e suas hostes, livrando assim Israel da destruição total quando toda esperança de salvação estiver perdida. "Até que a destruição que está determinada, se derrame sobre ele". Isso ocorrerá na Batalha do Armagedom.

A profecia relaciona-se diretamente com a nação de Israel e a cidade de Jerusalém (Dn 9.24), nada tem haver com a igreja.



6. CONCLUSÃO

Ao concluirmos este trabalho percebemos que as Setenta Semanas de Daniel foi a profecia mais importante do seu livro descrita no Capítulo 9.20-27, pois, revela o futuro da nação de Israel como plano de Deus e inclui também o período da Igreja aqui na terra, quando em Dn 9.26 é mencionado o termo “até o fim”.

Esta profecia é uma das belezas da Palavra de Deus, quando Ele discorre para o futuro. Nenhum outro jamais poderia fazer tal coisa, pois, a Onisciência é um dos atributos exclusivos de Deus, e nos mostra também a veracidade da Bíblia, pois muitos fatos preditivos dessa profecia, já se cumpriram.

Verificamos também que a profecia das setenta semanas refere-se ás provações e sofrimentos pelos quais Israel terá de passar antes que o seu libertador apareça e tem como propósito: cessar a transgressão, dar fim aos pecados, expiar a iniquidade, trazer justiça eterna, selar a visão e a profecia, bem como ungir o Santo dos Santos. Todos esses propósitos se cumprirão na última semana na Grande Tribulação.

Esta “profecia” não se refere à Igreja, somente a nação de Israel. Terá seu fiel cumprimento, pois está determinada por Deus para o seu povo e para a santa cidade (Dn 9.24).

O fim da septuagésima semana terminará com a vinda de Jesus em gloria com todos os seus santos para resgatar Israel, destruir o Anticristo e seu ministério e julgar as nações vivas.



7. BIBLIOGRAFIA



- Material da Internet: http://ailtonsilva2000.blogspot.com.br/2010/11/o-cativeiro-babilonico.html.

http://pbgerardo.blogspot.com.br/2012/06/por-que-70-anos-de-cativeiro.html.

http://pt.slideshare.net/ESTUDANTETEOLOGIA/70-semanas-de-daniel.

http://assembleiadedeuscidadenova.blogspot.com.br/2011/01/as-70-semanas-de-daniel.html. .

http://escatologiaplena.blogspot.com.br/2011/11/entendendo-profecia-das-70-semanas-de.html#.U4pdI2q5fmQ.

http://pt.slideshare.net/ESTUDANTETEOLOGIA/70-semanas-de-daniel. .

- Livro

A Bíblia da Mulher – Texto Bíblico: “Tradução de João Ferreira de Almeida Revista e Atualizada – Segunda Edição 1993 – Sociedade Bíblica do Brasil

© 2015 Microsoft Termos Privacidade e cookies Desenvolvedores Português (Brasil)


Trabalho apresentado por Maria de Fátma.

    

Nenhum comentário:

Postar um comentário