JESUS CRISTO, O FILHO DE DEUS

Em toda nossa caminhada devemos ter sempre Cristo como nosso guia. Ele nos guarda a cada dia. "Porque dele, e por ele, e para ele são todas as coisas; glória, pois a ele eternamente. Amém." Sejam bem vindos ao nosso blog em o nome do Senhor Jesus !!! Disse Jesus: Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve. Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa. Amo ao Senhor Jesus Cristo, porque Ele me amou primeiro e trouxe-me para a sua maravilhosa presença. Deus é tremendo !!!

sábado, 31 de outubro de 2015

PROPÓSITO DOS DONS


REFLEXÃO

Sobre o Propósito da Partilha de Dons, Ministérios e Vocações

(…) Querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério,
para a edificação do corpo de Cristo (Efésios 4:12)


É por isso que o Espírito Santo partilhou os dons, e fez de uns apóstolos, outros profetas, outros evangelistas e, outros pastores e mestres: para que os santos, os fiéis cristãos, se tornassem perfeitos. 

Assim como em um lar, o serviço e a honra são partilhados, e há o serviço e honra próprios para os pais, honra e serviço próprios a cada filho ou filha adulto e serviço e honra próprios para filhos jovens e servos – e ainda assim todos trabalham juntos para o benefício de todos, assim é na cada de Deus, a Santa Igreja: com cada honra em um serviço correspondente, e as obras de cada um são benéficas a todos. 

Assim, o corpo de Cristo, a Santa Igreja de Deus, é construída de forma sábia e gradual. Cada um dos fiéis, assistido pelos outros, cresce e se desenvolve como um membro desse corpo, cresce e se desenvolve em santidade e pureza, e em medidas e proporções correspondentes a todo o grande corpo. O corpo inteiro, do começo ao fim dos tempos — especialmente desde e encarnação de Deus, o Verbo, na terra até ao Temível Julgamento — é a Santa Igreja de Deus. 

O corpo é digno da imortalidade, a construção é digna de Deus. Os olhos humanos não podem ver de ponta a ponta, e nem a mente humana pode compreender. A construção é feita com materiais selecionados: pedras vivas, olhos e corações, sem dureza ou feiúra, sem corrupção ou mudança. Cada coisa em seu lugar, tudo é mais belo por inteiro e em partes. Aqui está, irmãos, o objetivo da nossa jornada! Aqui está o significado da nossa queimação na fornalha do sofrimento! Aqui está nossa vida, melhor que todos os nossos planos e mais adorável que todos os nossos desejos.

Fonte :  Lecionário Ortodoxo

HISTÓRIA DE LUCAS, O EVANGELISTA

São Lucas era originário da cidade de Antioquia. De nobre procedência, aplicava-se desde sua juventude a progredir na sabedoria e no estudo das ciências e das artes, viajava pelo mundo afora a fim de saciar sua sede de conhecimentos, e se destacava em particular nos domínios da ciência medicinal e na arte pitoresca. Além do grego, conhecia igualmente o hebraico e o sírio. 
Sob o reinado do Imperador Cláudio (aproximadamente 42 d. C.), ao dispensar seus cuidados aos enfermos da região de Tebas em Beócia, depara-se com o Apóstolo Paulo, cujas palavras de fogo o convencem de que a Verdade absoluta que ele tanto buscava se encontrava efetivamente junto aos Discípulos de Jesus Cristo. 
Ele abandona, então, sem hesitar, todos os seus bens e tudo aquilo que o prendia aos erros de seus pais, bem como a medicina dos corpos para se tornar, a exemplo de Paulo, médico das almas. 
Lucas segue o Apóstolo Paulo em suas viagens missionárias, percorrendo sem tréguas as rotas do mundo a fim de proclamar a Evangelho. Ele o acompanha até Roma para sua última viagem. É lá que, sem dúvidas, o Apóstolo Paulo lhe ordena de redigir o terceiro Evangelho, dedicado a Teófilo, governador da Acaia, que se converte ao Cristianismo. 
Um pouco mais tarde, Lucas remete a este mesmo Teófilo os Atos dos Apóstolos. Os Atos dos Apóstolos narram os prodígios realizados pelo Espírito Santo junto aos Apóstolos, desde o Pentecostes até o cativeiro de Paulo em Roma. 
Depois de ter se separado de seu mestre, Lucas retorna à Grécia para ai proclamar o Evangelho. Ele se fixa, novamente, na região de Tebas, onde morre em paz com a idade de oitenta anos. Existe uma tradição da Igreja que diz que São Lucas morreu sofrendo o martírio, suspenso em forma de cruz a uma oliveira pelos idólatras. 

Fonte :   Lecionário Ortodoxo

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

QUAL ERA O IDIOMA FALADO ANTES DA TORRE DE BABEL ?


Uma das narrativas mais conhecidas do livro de Gênesis é a história da Torre de Babel (Gên. 11). As pessoas tentaram construir uma torre para chegar até os céus, mas foram impedidos duramente por Deus. Ele os puniu pela sua arrogância criando uma abundância de idiomas que os prevenia de comunicar entre eles. Qual era o idioma que as pessoas falavam antes do pecado da Torre de Babel?


A TRAGÉDIA DE BABEL

A história da Torre de Babel começa assim: "Todo o mundo tinha um idioma comum e falava a mesma língua" (Gen. 11:1). Qual era esse idioma? De acordo com a tradição judaica, o idioma original do mundo era o Hebraico. Antes da Torre de Babel, tudo era falado em hebraico. Isso significa que Deus criou o mundo em hebraico, Adão e Eva falavam hebraico, assim como Noé. Mas depois da Torre de Babel, a humanidade foi dividida em milhares de idiomas. Onde podemos encontrar esse hebraico original, primordial? Na Bíblia, claro!

REVERTA O PECADO DE BABEL

Não há nada mais gratificante do que ler o Antigo Testamento em hebraico. Talvez você esteja se perguntando: como é que sabendo Hebraico Bíblico irei entender muito melhor o Antigo Testamento? Veja este exemplo. Na história da Torre de Babel, encontramos o versículo a seguir: "Por isso foi chamada de Babel — porque ali o SENHOR confundiu a língua do mundo inteiro" (Gên. 11:9). Ao ler este versículo em português, não faz muito sentido. Mas se você ler o original em hebraico, encontrará um trocadilho. A palavra "confundiu" em hebraico é balal (בלל), que soa similar ao nome babel (בבל). Agora você entende a origem do infame nome "Babilônia".

Fonte :  eteacherbiblical

domingo, 18 de outubro de 2015

O MONTE DO TEMPLO


A ORIGEM BÍBLICA DO LOCAL

O Monte do Templo é uma pequena colina na Cidade Velha de Jerusalém que já foi palco do Primeiro e Segundo Templo, ambos destruídos a mais de dois mil anos. Há muita informação na Bíblia Hebraica e no Novo Testamento sobre esses dois Templos. Mas qual foi a primeira menção bíblica do local?

O SIGNIFICA HEBRAICO DO NOME
•          A primeira vez que o Templo do Monte é mencionado na Bíblia é durante a história do sacrifício de Isaque. Deus pede a Abraão: Toma agora o teu filho, o teu único filho, Isaque, a quem amas, e vai à região de Moriá. Oferece-o ali em holocausto sobre uma das montanhas, que eu te mostrarei.” (Gênesis 22:2).Isso foi muitos séculos antes da construção do Primeiro Templo pelo Rei Salomão. No entanto, a maioria dos estudiosos, citando 2 Crônicas 3:1, concordam que "Moriá" é uma referência a "Jerusalém". Ambas as palavras têm a mesma raiz hebraica: Y-R-H (ירה), que significa "mostrar". Esta montanha é o local onde Deus escolheu revelar ou mostrar a sua presença, estabelecendo um local de residência permanente.

O Monte do Templo é tão importante para o povo judeu porque acreditamos que esse é o local onde Deus nos mostra a sua graça divina. É um ponto excepcional de conexão entre o céu e a terra. As letras Y-R-H também compõem a raiz das palavras moré ("professor") e torá ("ensinamento"). Isso demonstra o incrível poder da educação e a sua conexão com a cidade sagrada de Jerusalém.

Fonte :  eTeacherBiblical

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

JOVENS E ADOLESCENTES NA FESTIVIDADE NA VILA CIDA EM 30/08/2015

TERCEIRO DIA DA FESTIVIDADE DOS JOVENS E ADOLESCENTES















MORNO- NEM FRIO NEM QUENTE (Ap 3: 15-21)

15 ‘Eu sei o que vocês tem feito. Sei que não são frios nem quentes. Como gostaria que fossem uma coisa ou outra. 16 Mas, porque são apenas mornos, nem frios nem quentes, vou logo vomitá-los da minha boca.

A cidade de Laodicéia estava localizada entre as cidades de Hierápolis e Colossos. Ambas estas cidades eram conhecidas pelas  águas puras que fluíam através delas. Hierápolis tinha uma fonte  quente que era considerada medicinal. Colossos era conhecida por suas fontes frias e refrescantes da montanha. Laodicéia, por outro lado, tinha uma má reputação quando se tratava de água. Era conhecida por sua água suja, morna, que os visitantes cuspiam quase imediatamente após a degustação. Neste contexto, podemos ver que ambas as águas, quente e fria eram consideradas boas, enquanto a água morna e suja de Laodicéia não tinha valor.
17 Vocês dizem: “Somos ricos, estamos bem de vida e temos tudo que precisamos” mas, não sabem que são miseráveis, infelizes, pobre, nus e cegos. 18 Portanto, aconselho que comprem de mim ouro puro para que sejam, de fato, ricos. E comprem roupas brancas para se vestir e cobrir a sua nudez vergonhosa. Comprem também colírio para os olhos a fim de que possam ver. 19 Eu corrijo e castigo todos os que amo. Portanto, levem as coisas a sério e se arrependam.
Uma leitura atenta da admoestação de Jesus revela que esta igreja  específica tinha estado  focada em bens e riqueza, resultando em orgulho e satisfação espiritual. Jesus chamou seus seguidores desta igreja ao arrependimento e fé. Eles estavam liquidados para este mundo e estavam tão seguros de si, porque  não compreendiam o verdadeiro estado das coisas. Eles não eram ricos; eles eram pobres. Eles não estavam bem vestidos, mas nus. Não eram auto-suficientes, mas eles eram verdadeiramente necessitados. Eles pensavam que tinham acesso a um dos melhores centros de saúde no Império Romano, mas na realidade, estavam completamente cegos. Eles tinham investido seus bens valiosos  no banco errado. O que é importante perceber é que esta carta realmente não é diferente das seis cartas para as outras igrejas. O desafio para nós é ver que o tipo de riqueza e conforto mencionados aqui somente  pode ter  sido alcançado se for presumida sua plena participação na sociedade Romana pagã. A reprovação de Jesus não  deve ser tomada como tratamento sem compaixão, cruel. É precisamente porque essas pessoas tinham o amor e compromisso  do Cristo Redentor  que eles foram desafiados a se arrepender e mudar os seus hábitos.
20 Escutem! Eu estou à porta e bato. Se alguém ouvir a  minha voz e abrir a porta, eu entrarei na sua casa, e nós jantaremos juntos.

O Rei de Israel está disposto a ter comunhão real com seus seguidores. No entanto, porque ele é santo, nenhum compromisso ou contaminação com impureza é permitido. Isto está  claramente afirmado nas Escrituras Israelitas. Lemos em Levítico 18:24 “Não façam nenhuma destas coisas, pois vocês ficarão impuros, como ficaram impuros os povos que eu vou expulsar da terra que vai ser de vocês.” Os Nicolaítas de Pérgamo e Éfeso – aqueles que alegaram “nós comeremos” (ver a discussão anterior sobre Nicolaítas como Hebraísmo em Apocalipse 2:6) – estavam dispostos a envolver-se  em comunhão não qualificada e totalmente irrestrita com o paganismo Romano que foi proibido pelo Conselho de Jerusalém em Atos 15.
Muitos seguidores do Cristo Judeu de Laodicéia aparentemente também foram vítimas dos ensinamentos dos Nicolaítas, embora não estivessem explicitamente identificados com eles como foram os outros. Jesus, chamando-os ao arrependimento, ofereceu-lhes o maior incentivo possível – o direito pessoal de comunhão da mesa com o próprio Jesus Cristo. A comunhão com o Deus de Israel deve permanecer pura. Nada mudou. O Santo é ainda sagrado.
21 Aos que conseguirem a vitória eu darei o direito de se sentarem ao lado do meu trono, assim como eu consegui a vitória e agora estou sentado ao lado do trono do meu Pai. 22 Portanto, se vocês têm ouvidos para ouvir, então ouçam o que o Espírito de Deus diz às igrejas’”.
Não há dúvida que o compromisso de evitar a contaminação do modo de vida  predominante no Império Romano era extremamente difícil, especialmente, quando a união de não-Judeus  aos seguidores de Jesus do povo de Israel  foi severamente desencorajado, se não  proibido no Império Romano. Lemos em 1 Coríntios 7:17: “Cada um deve continuar vivendo de acordo com o dom que o Senhor lhe deu e na condição em que se encontrava quando Deus o chamou. É essa a regra que eu ensino em todas as igrejas.” Os Gentios seguidores do Cristo Judeu foram encorajados a se juntar a coligação Judaica como peregrinos com Israel; isto é, não como os Judeus, mas como os Povos. Neste caso, de acordo com Paulo, tomariam parte no estabelecimento da Torá. Paulo apoiou a declaração, feita no Conselho de Jerusalém, para os Judeus e os Povos adorarem o SENHOR Deus em igualdade. Lemos o que o Apostolo Paulo, o único Fariseu cujos escritos aos seguidores não-Judeus sobrevive, fala sobre isso em Romanos 3:28-31:
“Assim percebemos que a pessoa é aceita por Deus pela fé e não por fazer o que a lei manda. Ou será que Deus é somente Deus dos Judeus? Será que não é também Deus dos não-Judeus? Claro que é! Deus é um só e aceitará os Judeus na base da sua fé e também aceitará os não-Judeus por meio da fé que eles têm. Será que isso quer dizer que, por causa da fé, nós tratamos a lei como se ela não valesse nada? Não; de modo nenhum! Pelo contrário, afirmamos que a lei tem valor”.
Isto significa que, para os seguidores Gentios de Jesus não havia muitas opções. Ou eles poderiam juntar-se ao povo Judeu através da conversão  proselitista (que era proibida) ou eles poderiam estar de acordo com as regras e práticas da Roma pagã que, embora condenadas,  apesar de tudo foram escolhidas por muitos. Uma terceira e a mais difícil opção  foi aprender como viver vidas santas e justas como os povos no mundo Romano, ao mesmo tempo adorando o mesmo Deus como os Judeus, mas através de Jesus – seu Rei ungido. Não foi fácil. Na verdade, era extraordinariamente difícil. Eis porque as recompensas oferecidas são tão incrivelmente grandes.
Fonte :  Dr. Eli Lizorkin-Eyzenberg

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

DESAJUSTE SOCIAL


SUMÁRIO

1- INTRODUÇÃO .................................................................... 04
2- HOMEM SOCIAL ................................................................ 05
2.1 O que é um homem social ................................................ 05
2.2 Estímulos que o homem recebe desde pequeno .............  05
2.3 Ambientes favoráveis à uma boa estrutura ......................  06
3- O QUE VEM A SER DESAJUSTAMENTO SOCIAL E QUAIS
OS INDICADORES QUE CAUSAM TAIS DESAJUSTES ....   07
3.1 Desajuste Familiar ............................................................  07
3.2 Desajuste na Moradia  ......................................................  07
3.3 Desajuste na Educação ....................................................  08
CONCLUSÃO .......................................................................... 09
BIBLIOGRAFIA .........................................................................10 

1- INTRODUÇÃO
Vemos nos dias atuais, que os desajustes sociais a cada dia mais tem se elevado, apesar de muitos programas de socialização.
Os desajustes na família, na educação, na área da moradia, estão visivelmente presentes na sociedade brasileira, e também nos demais países, principalmente nos países sub desenvolvidos e os que estão em desenvolvimento.
A falta de respeito dos governantes para com a população e também a pouca instrução da maior parte das pessoas que são as maiores vítimas, e que muitas das vezes nem tentam melhorar a sua situação, esperando somente das autoridades, tem feito com que a sociedade, apesar dos esforços feitos, mas com pouco sucesso, faz com que muitos desistam de lutar por uma sociedade mais justa e humana.

2 HOMEM SOCIAL
2.1 O que é o homem social
O ser humano é um ser social, desde que nascemos somos inseridos em grupos sociais, alguns escolhemos como amigos e outros nos são impostos, por uma série de variantes ao qual não temos escolhas, como a família por exemplo.  Esses grupos ao qual pertencemos nos influenciam e são influenciados por cada um de seus membros mutuamente e individualmente e também nos norteiam como pensar, com comportar.
O homem é um ser social porque suas relações interpessoais, seu complexo ideário e principalmente sua própria existência está ligado a vida em sociedade, dependemos uns dos outros em menor ou maior grau de necessidade.  O isolamento não é o tipo da natureza humana, juntos construímos a cultura, as sociedades, as cidades, as complexas relações sociais, a tecnologia, juntos fazemos tudo isso.
2.2 Estímulos que o homem recebe desde pequeno
Estímulo afetivo:  Este estímulo está relacionado com o emocional da criança, sua interação, seus sentimentos, desejos e ansiedades; bem trabalhados, a criança tem maior facilidade na socialização com outras pessoas.
Estímulos físicos:  Estes estímulos envolvem a capacidade de movimentos, coordenação motora, lateralidade e o psicomotor, pois eles provocam ações como:  o conhecimento do próprio corpo, seu desenvolvimento, seu ritmo, exercitando-o a fazer e facilitam sua relação no grupo.
Estímulos cognitivos:  Envolvem a aprendizagem, a atenção, a memória, a criatividade, a curiosidade, a linguagem, os pensamentos, a observação, a leitura, o raciocínio.
Estímulos sensoriais:  Envolvem o auditivo, visual, olfativo, tátil e gustativo.  Eles provocam ações que desenvolvem as sensações, as sensibilidades internas e externas da criança.  A essência do estímulo está na forma de como oferecemos, e com certeza deve vir sempre com o brincar, com carinho, afeto e a cumplicidade.


2.3 Ambientes favoráveis à uma boa estrutura
Sem dúvida alguma o primeiro ambiente socializador e responsável para uma boa estrutura, é a família, porque é o elemento básico da sociedade, além de tudo é o ambiente natural para o crescimento e bem estar de seus membros.
A família tem um papel fundamental na socialização do indivíduo, para que o processo de socialização tenha efeito, as interações devem ser construíidas dentro do círculo familiar.
As relações que se estabelecem nas primeiras épocas da vida do sujeito são determinantes, ou seja, podem ser negativas ou positivas, dependendo da qualidade desta relações. Por isso, independentemente da situação profissional dos pais, o tempo que eles têm disponível – seja bastante ou pouco – deve ser dedicado aos filhos de tal modo que estes se sintam amados, protegidos e inseridos em um ambiente acolhedor e tranquilo, caso contrário, se a conduta da família for diferente, as problemáticas irão aparecer e os reflexos poderão ser visualizados dentro de casa, na escola e na sociedade em geral.
Podemos falar também que a igreja é um ambiente muito importante na construção da espiritualidade do ser humano.
A escola também é importante porque é ela que nos ajuda e contribui no desenvolvimento integral dos educandos nos aspectos social, físico, psicológico e intelectual.

3 O QUE VEM A SER DESAJUSTAMENTO SOCIAL E QUAIS OS INDICADORES QUE CAUSAM TAIS DESAJUSTES
Desajuste social é qualquer padrão de comportamento que fuja dos padrões médios da sociedade.  O desemprego, a prostituição, são exemplos de desajuste social, na psicologia, a criança que não se adapta na escola e sente dificuldade de conviver com outras pessoas.
3.1 Desejuste Familiar
Podemos perceber que através dos anos houve grandes modificações no sistema familiar, no contexto social a família vem sofrendo numerosos males dos quais é lamentável, tais como o desequilíbrio de numerosas mulheres, a desorientação juvenil, a inadaptação das crianças, a inquietação dos homens e o seu isolamento na sociedade, ficamos atemorizados com o que vemos hoje.
Nunca se falou tanto em violência familiar quanto se fala nos dias atuais.  Sabe-se que há vários tipos de violência a qual atinge as mulheres como vítimas, os homens como culpados e os filhos como pedra de tropeço, e vice-versa, e com tudo isso posteriormente os filhos serão vítimas ou culpados, a esse ciclo vicioso, perdurará por gerações.
Sendo assim, analisamos família como ambiente de proteção ou de risco? O sistema familiar a cada dia se desestrutura, proporcionando um ambiente de risco ao invés de ser um lugar prazeroso, onde o indivíduo usaria como um refúgio e base.
3.2 Desajuste na Moradia
Nosso país atualmente sofre com a desigualdade social e o crescimento desordenado, por isso podemos ver milhares de famílias que não possuem moradias, assim sendo é possível encontrar pessoas morando nas ruas, embaixo de viadutos e pontes, passam por muitas dificuldades e possuem condições precárias de vida, e tudo isso são os chamados moradores de rua, vivem em extrema carência, não podendo eles garantir sua sobrevivência por seus próprios meios.
Quais os motivos que as levam a se tornarem moradores de rua ?
Talvez o uso de substâncias psicotrópicas.  Não são bem vistos os usuários de drogas perante a sociedade, são rejeitados, seu direito à fala e a escolha são negado.  Não são apenas usuários de drogas que passam a ser moradores de rua, no meio desta comunidade estão crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos, o que inclui uma série de fatores que faz uma pessoa se tornar um morador de rua.  Os fatores são:  abandono familiar, ou falta de família, desemprego, desajuste social ou problema psicológico, etc..
Enfim, eles fazem tudo para sobreviver, não importa como, se roubando, pedindo, comprando ou até furtando, passam fome, sede, frio, falta de higiene, educação, emprego, lazer, saúde ... Muitas vezes não têm sonhos, e não têm esperanças de mudanças.
A vida dessas pessoas baseia-se apenas no hoje.
3.3 Desajuste na Educação
Podemos ver qual é a situação da Educação no nosso país, com certeza é precária.  Vemos na escola pública, alunos que foram vítimas ou precenciaram agressões físicas ou verbais., professores que sofrem ameaças pelos alunos ou até mesmo por familiares dos mesmos alunos, portando armas de fogo dentro das escolas, como também drogas, tudo isso nos preocupam.
O não acompanhamento familiar ocasiona nos alunos um sentimento de rejeição que pode afetar no seu desempenho escolar, no aprendizado e também no seu comportamento.
A tarefa de educar não é fácil, seja em casa ou na escola.  Escola e família devem trabalhar em conjunto, com atenção, incentivo, limites, segurança, valorização, amor, esperança e cuidado, são fatores primordiais, para que eles se sintam protegidos.  A responsabilidade e a obrigação da família  é começar em casa e a escola deve dar continuidade, e assim sendo, nossas crianças construirão valores fundamentais. 
CONCLUSÃO

A família como a célula mater da sociedade, deve ser a primeira a orientar seus membros a valorizarem a vida, as pessoas e lutar para que tenhamos uma sociedade melhor.
Como família, não podemos deixar essa luta, somente para os educadores que estão nas nossas escolas, que sem dúvida, é o segundo lar de quase todos, devido a escola ser um local onde recebemos muitas instruções, porém precisamos levar a sério o ditado que ouvimos desde a infância, que “educação vem do berço”.
O desajuste da sociedade não são somente os govenantes os responsáveis, mas também é de responsabilidade de todos que não procuram ensinar o caminho correto para se trilhar, deixando por conta somente dos educadores.
Pessoas bem educadas, provavelmente saberão lutar por uma sociedade mais justa, aonde uma família bem alicerçada, com uma educação de bom nível, com uma boa alimentação na mesa, com uma boa moradia e saúde, fará com que cidadãos e cidadãs se sintam dignos, e através disso serão incentivados à lutar por uma sociedade cada vez melhor.


BIBLIOGRAFIA

Gossipgirl.blogspot.com
Sheilari.beiropsicologia.blogspot.com
Cidadeverde.blogspot.com

Pesquisa realizada por Maria de Fátima Santos Pereira