JESUS CRISTO, O FILHO DE DEUS

Em toda nossa caminhada devemos ter sempre Cristo como nosso guia. Ele nos guarda a cada dia. "Porque dele, e por ele, e para ele são todas as coisas; glória, pois a ele eternamente. Amém." Sejam bem vindos ao nosso blog em o nome do Senhor Jesus !!! Disse Jesus: Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve. Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa. Amo ao Senhor Jesus Cristo, porque Ele me amou primeiro e trouxe-me para a sua maravilhosa presença. Deus é tremendo !!!

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

A PAZ DE DEUS

Jr 29.7 "Procurai a paz da cidade para onde vos fiz transportar; e orai por ela ao Senhor, porque, na sua paz, vós tereis paz."

DEFINIÇÃO DE PAZ.  A palavra hebraica para "paz" é shalom.  Denota muito mais do que a ausência de paz e conflito.  O significado básico de shalom é harmonia,plenitude, firmeza, bem-estar e êxito em todas as áreas da vida.
(1) Pode referir-se à tranquilidade nos relacionamentos internacionais, tal como a paz entre as nações em guerra (e.g., 1 Sm 7.14; 1 Rs 4.24; 1 Cr 19.19).
(2) Pode referir-se, também a uma sensação de tranquilidade dentro de uma nação durante tempos de prosperidade e sem guerra civil (2 Sm 3.21-23; 1 Cr 22.9; Sl 122.6,7).
(3) Pode ser experimentada com integridade e harmonia nos relacionamentos humanos tanto dentro do lar (Pv 17.1; 1 Co 7.15) quanto fora (Rm 12.18; Hb 12.14; 1 Pe 3.11).
(4) Pode referir-se ao nosso senso pessoal de integridade e bem-estar, livre de ansiedade e em paz com a própria alma (Sl 4.8; 119.165; cf. Jó 3.26) e com Deus (Nm 6.26; Rm 5.1).
(5) Finalmente, embora a palavra shalom não seja empregada em Gn 1-2, ela descreve o mundo originalmente criado, que existia em perfeita harmonia e integridade.  Quando Deus criou os céus e a terra, criou um mundo em paz.  O bem-estar total da criação reflete-se na breve declaração:  "E viu Deus tudo quanto tinha feito, e eis que era muito bom" (Gn 1.31).

A INTERRUPÇÃO DA PAZ.  Quando Adão e Eva deram atenção à voz da serpente, e comeram da árvore proibida (Gn 3.1-7), sua desobediência introduziu o pecado e se interrompeu a harmonia original do universo.
(1) Naquele momento, Adão e Eva experimentaram, pela primeira vez, culpa e vergonha diante de Deus (Gn 3.8), e uma perda da paz interior.
(2) O pecado de Adão e Eva no jardim do Éden destruiu seu relacionamento harmonioso com Deus.  Antes de comerem daquele fruto, tinham íntima comunhão com Deus (cf 3.8), mas depois esconderam-se "da presença do Senhor Deus, entre as árvores do jardim" (Gn 3.8).  Ao invés de sentirem anelo pela conversa com Deus, agora tiveram medo da sua voz (Gn 3.10).
(3) Além disso, interrompeu-se o relacionamento harmonioso entre Adão e Eva como marido e mulher.  Quando Deus começou a falar-lhes a respeito do pecado que haviam cometido, Adão lançou a culpa em Eva (Gn 3.12), e Deus declarou que a rivalidade entre o homem e a mulher continuariam (Gn 3.16).  Assim começou o conflito social que agora é parte integrante das difíceis relações humanas, desde as discussões e a violência no lar (cf 1Sm 1.1-8; Pv 15.18; 17.1), até os conflitos e guerras internacionais.
(4) Finalmente, o pecado interrompeu a harmonia e a unidade entre a raça humana e a natureza.  Antes de Adão pecar, trabalhava alegremente no jardim do Éden (Gn 2.15), e andava livremente entre os animais, dando nome a cada um (Gn 2.9,20).  Parte da maldição divina após a queda envolvia a inimizade entre a serpente e Adão e Eva Gn 3.15), bem como uma nova realidade:  o trabalho produziria suor e labuta (Gn 3. 17-19).  Antes havia harmonia entre a raça humana e o meio-ambiente, agora luta e conflito de modo que "toda a criação geme e está juntamente com dores de parto até agora" (Rm 8.22).

A RESTAURAÇÃO DA PAZ.  Embora o resultado da queda fosse a destruição da paz edo bem-estar para a raça humana, e até mesmo para a totalidade do mundo criado, Deus planejou a restauração do Shalom; logo, a história da reconquista da paz é a história da redenção em Cristo.
(1) Tendo em vista que Satanás deu início à destruição da paz no mundo, o restabelecimento da paz deve envolver a destruição de Satanás e do seu poder.  Por isso, muitas das promessas do AT a respeito daa vinda do Messias eram promessas da vitória e paz vindouras.  Davi profetizou que o Filho de Deus governaria as nações (Sl 2.8,9; cf. Ap 2.26,27; 19.15).  Isaias vaticinou que o Messias  reinaria como o Príncipe da Paz (Is 9.6,7). Ezequiel predisse que o novo concerto que Deus se propôs estabelecer através do Messias seria um concerto de paz (Ez 34.25; 37.26).  E Miqueias, ao profetizar o nascimento em Belém do rei vindouro, declarou:   "E este será a nossa paz" (Mq 5.5).
(2) Por ocasião do nascimento de Jesus, os anjos proclamaram que a paz de Deus acabara de chegar à terra (Lc 2.14).  O próprio Jesus veio para destruir as obras do diabo (1 Jo 3.8) e para romper todas as barreiras de conflito que tomasse parte da vida a fim de fazer a paz (Ef 2.12-17).  Jesus deu aos discípulos a sua paz como herança perpétua antes de ir à cruz (Jo 14.27; 16.33).  Mediante a sua morte e ressurreição, Jesus desarmou os principados e postestades hostis, e assim possibilitou a paz (Cl 1.20; 2.14,15; cf. Is 53.4,5).  Por isso quando se crê em Jesus Cristo, se é justificado mediante a fé e se tem paz com Deus (Rm 5.1).  A mensagem que os cristãos proclamam são as boas-novas da paz (At 10.36; cf. Is 52.7).
(3) Apenas saber que Cristo veio como o Príncipe da Paz não garante que a paz se tornará automaticamente parte da vida; para experimentar a paz há que estar unido com Cristo numa fé ativa.  O primeiro passo é crer no Senhor Jesus Cristo.  Quando assim faz, a pessoa é justificada pela fé (Rm 3.21-28; 4.1-13; Gl 2.16) e assim tem paz com Deus (Rm 5.1).  Juntamente com a fé, deve-se andar em obediência aos mandamentos divinos a fim de viver-se em paz (Lv 26. 3,6).  Os profetas do AT declaram freqüentemente que não há paz para os ímpios (Is 57.21; 59.8; Jr 6.14; 8.11; Ez 13.10,16).  A fim de que os crentes conheçam sua paz perpétua.  Deus lhes tem dado o Espírito Santo, que começa a operar em nós um aspecto do fruto, que é a paz (Gl 5.22; cf. Rm 14.17; Ef 4.3).  Com a ajuda do Espírito, deve-se orar pedindo a paz e seguí-la (Sl 34.14; Jr 29.7; 2 Tm 2.22; 1 Pe 3.11), e esforçar-se por viver em paz com o próximo (Rm 12.18; 2 Co 13.11; 1 Ts 5.13; Hb 12.14).

Fonte:  Bíblia de Estudo Pentecostal



Nenhum comentário:

Postar um comentário