JESUS CRISTO, O FILHO DE DEUS

Em toda nossa caminhada devemos ter sempre Cristo como nosso guia. Ele nos guarda a cada dia. "Porque dele, e por ele, e para ele são todas as coisas; glória, pois a ele eternamente. Amém." Sejam bem vindos ao nosso blog em o nome do Senhor Jesus !!! Disse Jesus: Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve. Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa. Amo ao Senhor Jesus Cristo, porque Ele me amou primeiro e trouxe-me para a sua maravilhosa presença. Deus é tremendo !!!

quinta-feira, 10 de março de 2016

DIVÓRCIO

Divórcio :  Dissolução do casamento.  
A lei sobre o divórcio no Antigo Testamento, Dt 24. 1-4.
No Novo Testamento:  "Eu, porém, vos digo:  Qualquer que repudiar sua mulher, exceto em caso de infidelidade (fornicação, Vers. Fig. Gr, porneia) a expõe a tornar-se adúltera; e aquele que casar com a repudiada, incide em adultério", Mt 5.32.  O matrimônio não é uma incoveniência social inventada pela humanidade para preencher uma necessidade ou condição temporárias, e, portanto, para ser revisado ou abandonado conforme os caprichos de qualquer homem, ou grupo de homens.  O matrimônio foi instituído por Deus Altíssimo e a sua relação para com a raça humana é tal que não se pode modificar, nem a parte considerada mais insignificante, sem graves conseqüências.  "Não tendes lido que Criador desde o prncípio os fez homem e mulher, e que disse:  Por esta causa deixará pai e mãe, e se unirá a sua mulher tornando-se os dois uma só carne ?  De modo que não são mais dois, porém uma só carne .  Portanto, o que Deus ajuntou não separe o homem", Mt 19. 3-6.  Não se julgue a legislação humana pode dissolver uma união feita por Deus.  Cristo disse mais:  "Moisés pela dureza de vossos corações, vos permitiu repudiar vossas mulheres, mas ao princípio não foi assim.  Eu vos declaro que todo aquele que repudiar sua mulher, se não é por causa de fornicação, e casar com outra, comete adultério", Mt 19. 8,9.  Vers.  Fig.   A versão de Figueiredo é mais precisa, usando a palavra "fornicação", desfazendo a suposição de muitos crentes, de que um dos cônjuges tem direito de repudiar o outro somente por causa de infidelidade.  Para compreender isto devemos notar como as Escrituras distinguem entre a fornicação e o Adultério.  "Porque do coração é que saem os maus pensamentos, os homicídios, os adultérios (gr moicheia), as fornicações (gr Porneia), Mt 15.19, Fig.  "Mas as obras da carne estão patentes; como são que fornicação (gr porneia) a impureza (adultério, gr Moicheia)", Gl 5.10, Fig.  "Nem os fornicários (gr . Pornos), nem os idólatras, nem os adúlteros (gr. Moichós)...hão de possuir o reino de Deus", 1 Co 6. 9,10.  "Porque Deus julgará aos fornicários (gr. Pornos) e aos adúlteros (gr Moichos)",  Hb 13.4, Fig. Cristo não disse que a lei de Moisés concedia o direito de divórcio, por causa de Adultério (gr Moicheia), Ele disse:  "Quem repudiar a sua mulher, não sendo por causa da fornicação (Porneia) e casar com outra, comete adultério (gr. Moichao)", Mt 19.9.  Se o homem, depois de casar-se, achasse que a mulher não era virgem, podia repudiá-la.  Compare-se Mt 5.32; 19.9 com Dt 24.1.  Mas se ela era virgem, não podia repudiá-la enquanto vivesse, Dt 22.19.  A lei de Moisés concedia o direito de divórcio no caso de fornicação mas não de adultério; os adúlteros morreram apedrejados Lv 20.10.  Note-se:  a fornicação é o pecado de pessoas não casadas, com pessoas casadas ou não.  O adultério é o pecado de pessoas casadas com outras que não são seus próprios cônjuges.  Se um pai maltratar um filho, a lei deve abolir a relação paternal, ou castigar o pai ?  Se ele abandonar seus filhos, a lei deve ajudá-lo em criar outros filhos, os quais ele pode, também, abandonar.  Não deve antes puní-lo ?  O que a lei pode fazer no caso de pai e filho, pode, igualmente, fazer no caso de dois cônjuges.  As leis civis, sobre o divórcio, nunca podem substituir ou invalidar os deveres dos crentes diante de seu Deus.  Mesmo no caso de um dos dois cônjuges descobrir que o outro foi infiel, seria melhor perdoá-lo do que repudiá-lo, Mt 6.14,15; 18. 15-20.  O amor conjugal, entre os crentes sinceros, é um mandamento divino (Ef 5.22-33; 1 Pe 3.1-9), não um capricho como entre os mundanos.  A questão do divórcio, quando um dos cônjuges não é crente, é ventilada em 1 Co 7.10-17.  Se aquele que não é crente exigir a separação, o crente pode ceder:  Mas a atitude do crente deve ser sempre a de ganhar seu companheiro para Cristo; nunca pode tomar a iniciativa na separação.  No caso de se separarem, porém, a Palavra é clara, que o crente não tem direito de casar-se com outrem:  Que não se case", 1 Co 7.11.

Fonte :  Pequena Enciclopédia Bíblica, 31 ª Impressão 2013, Rio de Janeiro, CPAD

Nenhum comentário:

Postar um comentário